Tempo de tela para bebês e crianças

Quando levar seu filho ao oftalmologista
4 de março de 2019
Dificuldade de Aprendizado e Visão
19 de março de 2019

Tempo de tela e Criança com celular

O tempo de tela de bebês e crianças tem aumentado significativamente nos últimos anos e precisamos falar sobre suas consequências.

O uso de dispositivos eletrônicos, como tablets e smartphones, é algo cada vez mais comum, inclusive pelas crianças. Nesse sentido, esse primeiro contato com a tecnologia está começando cada vez mais cedo.

Processo de formação da visão do bebê e da criança

O principal problema do uso excessivo de celular e tablet por bebês e crianças é sua interferência no processo de emetropização do olho.

Emétrope é todo o indivíduo que não tem nenhum grau nos olhos. Em todos nós, o olho do nascimento até ao redor dos 20 anos tentou ficar emétrope. Diversos fatores influenciam no grau que teremos ao redor dos 20 anos, entre eles fatores genéticos e ambientais.

Celular faz mal para crianças e bebês?

Dentre os fatores ambientais que mais contribuem para o aparecimento de miopia é o uso excessivo de dispositivos eletrônicos. Porque, ao fazer uso desses aparelhos, a criança fica com a visão focada apenas para perto.

Além disso, passar a maior parte do dia em ambientes internos, com pouca ou nenhuma exposição à luz solar é outro fator que contribui para o surgimento cada vez mais precoce da miopia.

Conforme recomendação da Academia Americana de Pediatria, por diversos motivos o tempo de tela deve ser igual a ZERO em bebês até 2 anos de vida. Na prática, sabemos que nos dias atuais isto é praticamente impossível.

Tempo de tela por idade

Qualquer bebê, criança ou adolescente deve ter monitorado o seu tempo de tela. O tempo de tela recomendado é que, em intervalos regulares, a cada 20/30 minutos a criança deve ser estimulada a mudar o foco e olhar para longe. De preferência ao ar livre.

Tempo de tela por idade

Tempo de tela por idade

  • Abaixo de 18 meses: não devem ser expostos às telas;
  • 18 meses a 2 anos: Os pais de crianças de 18 a 24 meses de idade que desejarem introduzir o uso do celular ou tablet devem escolher uma programação de alta qualidade e assistir junto com os filhos para ajudá-los a entender o que estão vendo;
  • 2 a 5 anos: Limitado a uma hora por dia, de programação de qualidade e apropriada à idade. Os pais também devem assistir ao conteúdo junto com a criança para ajudá-la a entender o que ela está vendo;
  • 6 anos ou mais: O tempo de tela deverá obedecer as recomendações abaixo:
    • Incentivar a criança a brincar e a realizar atividades físicas de preferência em ambientes abertos, evitando assim as telas;
    • Estabeleça o limite de diário para o uso dos eletrônicos;
    • Quando a criança faz suas tarefas escolares, não deve utilizar celulares e tabletes com fins recreativos;
    • Monitore os conteúdos que a criança tem acesso

Tempo de tela para crianças na pandemia

Devido ao isolamento social que temos vivido graças a pandemia de coronavírus, o uso constante de telas e dispositivos eletrônicos tem sido uma realidade. Isto ocorre porque as crianças passam grande parte da manhã e/ou das tardes assistindo aulas online. Porém, mais do que usar a internet para fins de estudo, as crianças também têm se apegado a telas para uso afetivo, usando-as para matarem a saudade dos familiares e amigos. As necessidades das crianças têm sido mais urgentes e, por consequência, sabemos que pode ser difícil reduzir o tempo de tela para os pequenos.

Tempo de tela e a obesidade infantil

É importante salientar que o uso excessivo de dispositivos eletrônicos tem feito com que as crianças se tornem mais sedentárias. Além disso, o aumento da ingestão de alimentos não saudáveis como bolachas recheadas e doces, podem causar a obesidade infantil. Este é um dos motivos pelo qual o excesso de peso tem aparecido com frequência em crianças.

Durante o isolamento social tem sido difícil manter as crianças afastadas de dispositivos eletrônicos. Assim sendo, o ideal é que os pais estipulem regras e limites, pois qualquer outra atividade que não envolva telas certamente será mais saudável.

Quanto tempo adolescentes podem ter acesso à telas?

Sabemos que os adolescentes tem um sério caso de amor com os seus celulares, não é mesmo? Por isto muitos pais se perguntam quantas horas por dia um adolescente pode ficar no celular e este é um questionamento importante, uma vez que eles precisam ter o tempo de acesso à telas controlado. Desse modo, o recomendado é que adolescentes de 11 a 18 anos fiquem no máximo 3 horas por dia mexendo no celular e que nunca virem a madrugada mexendo nele, ok pais?

Tempo máximo de uso de telas por crianças e adolescentes

Agora que já foram esclarecidos todos os possíveis malefícios pelo uso excessivo de telas, vamos entender melhor sobre o tempo de uso indicado para cada faixa etária, confira:

  • Bebês até 2 anos de idade: não devem ter nenhum acesso a telas.
  • Crianças de 2 a 5 anos: como já mencionado anteriormente, no máximo 1 hora por dia.
  • Crianças de 6 a 10 anos: no máximo 2 horas por dia.
  • De 11 a 18 anos: no máximo 3 horas por dia.

Todavia, o recomendado é nunca fazer uso de telas durante as refeições e também não fazer uso de telas de 1 a 2 horas antes de dormir.

Por que limitar o tempo de tela dos seus filhos?

À primeira vista, os pais e mães são diretamente responsáveis pela criação de bons hábitos em seus filhos. De acordo com uma pesquisa divulgada pelo King’s College (Londres), realizada com mais de 125 mil crianças e adolescentes de idades entre 6 e 19 anos, o uso do celular no período da noite piora a qualidade do sono, causa obesidade e pode até causar depressão. A luz das telas eletrônicas diminui a produção do hormônio chamado melatonina, hormônio responsável pelo sono. Logo, esse é um daqueles momentos em que você precisa estabelecer regras: sem uso de telas (no mínimo uma hora) antes de deitar. Por último, também é recomendado que não haja TVs no quarto das crianças.

O tempo de tela e o desenvolvimento das crianças

A cada dia que passa podemos perceber quanta destreza tem uma criança pequena mexendo no celular, não é mesmo? Mas de acordo com um estudo divulgado pela Universidade de Calgary, no Canadá, o uso excessivo de telas eletrônicas tem prejudicado o desenvolvimento das crianças em áreas como comunicação, habilidades motoras, resolução de problemas e sociabilidade.

O estudo divulgado foi realizado com 2.441 mães e filhos e é mais uma evidência de que o excesso de tecnologia traz malefícios para todas as idades. O acesso a dispositivos eletrônicos exige mais trabalho por parte dos pais, uma vez que é de extrema importância que os pais estejam atentos as atividades dos filhos com estes dispositivos. Isto posto, sabemos que somente a família pode auxiliar os filhos na criação de um senso crítico, para que a criança entenda as limitações de horário para as telas.

Orientações gerais para tempo de tela

Ao utilizarem celulares/tablet e computadores, as crianças devem ser orientadas a deixar os aparelhos mais afastados do rosto. Deste modo, dê preferência a um braço de distância.

Em todas as idades o uso excessivo de eletrônicos pode causar olho seco, dores de cabeça e fadiga visual. Leia esse artigo que escrevi sobre espasmo de acomodação, uma consequência comum do excessivo tempo de tela.

Nos bebês, crianças e adolescentes, os olhos ainda estão em desenvolvimento, não é mesmo? Sendo assim, o abuso do uso de telas pode ocasionar o aparecimento mais precoce e mais grave da miopia.

Por fim, estimular o uso correto e limitar a exposição as telas é importante para a saúde visual de seu filho. E um hábito saudável que ele levará para a vida adulta.

1 Comentário

  1. […] Ler desenvolve vocabulário, melhora a concentração e a memória e ainda estimula a criatividade. A leitura também é uma grande aliada durante e após a quarentena para diminuir o uso excessivo de celulares e tablets.  […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Abrir conversa
Posso Ajudar?